Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Início » Curare

Curare

Casali

Curare

Autores: V. W.D.Casali, F. M.C.Andrade, E. S.M.Duarte

Livro:  Acologia de Altas Diluições

A preparação básica é feita com a planta Paullinia curaru, família Strychnaceae. A planta era usada pelos índios como veneno das flechas. A intoxicação causa os sintomas de paralisia dos movimentos na seguinte ordem: olhos, pescoço, língua,
glote, diafragma. A temperatura diminui no tronco e aumenta nos membros.

Palavra chave:
Paralisias (mas permanece com consciência e sensibilidade). Paralisia em animais após tremuras.

Patogenesia
Sinais Funcionais:
Paralisia muscular com manutenção da consciência e das atividades mentais além da sensibilidade.

Sinais de Exaltação:
Sensação de cabeça cheia de líquido.

Sinais Mentais:
Indecisão mental, aversão a pensar.

Sinais Comportamentais:
Aversão à água e por si próprio. Cessa de agir e espera. Fica dependente.

Sinais Gerais:
Pontos pretos no campo visual, ouve ruídos constantes, ozena, boca e língua repuxada principalmente pela direita. Face vermelha. Menstruação antecipada e com dores renais ou cólicas e cefaleia. Dismenorreia/leucorreia. Paralisia respiratória ao deitar/dormir. Respiração curta. Fraqueza e peso nos braços/dedos. Tremor nas pernas. Pernas dobram ao andar. Pele parece suja. Tubérculo na pele do nariz. Mancha tipo hepática.

Sinais Físicos:
Dores fortes de cabeça (puxando atrás), queda de cabelo, dor tipo fisgada no olho direito, dor de ouvido que desce e vai até a perna. Inchação das orelhas, paralisia da boca/face. Tosse seca/fraca com vômitos. Peito com dores fortes e dispneia.
Dores que circulam acima e abaixo na coluna vertebral. Paralisia das pernas. Sangue saindo através da pele

Generalidades
Agrava: 
Com frio ou vento fresco brisa fria e umidade, as 2 h, lateralidade direita.

Indicações
Quadros Comuns:
A) Paralisia e Paresia
a) Paralisia dos movimentos progressivamente na sequência: olhos, pescoço, língua, glote. Há diminuição dos reflexos porém conservando a sensibilidade. A temperatura do tronco diminui (aumentando nos membros). Agrava no frio ou na umidade. Depressão mental com isolamento e indecisão. Adormecimento e formigamento das pernas, (ao andar treme e para). Vertigens repentinas. Ptose das pálpebras de cima.
Apneia dormindo. Muita urina e suor ao movimentar-se. Pode ter glicosuria, agitação noturna (9 a 30CH).
b) Paralisia: respiratória, do vago, do diafragma ou da glote. Dispneia forte, taquicardia, apneia enquanto dorme, temperatura do tronco diminui agravando os sintomas à noite. Hipersensibilidade do peito ao toque. Fraqueza (9 a 30CH).
B) Distúrbios Diversos – Nas paralisias as pessoas mantêm a consciência. Catalepsia. Enfizema. Cirrose hepática com vômitos de bílis. Dores violentas ao redor da cabeça. Ozena. Lepra. Fraqueza nas mãos e nos dedos dos músicos. Desmaio.

Dinamizações:
6CH a 30CH e 200C.

Outras Denominações:
Strichnos toxifera, Urari.

Proximidade:
Conium, Causticum, Crotalus, Nux vomica.

Curare

Autor: Sr Phatak 

Obra:  Matéria Médica Concisa

Generalidades:
É um veneno muscular; causando paralisia dos músculos sem prejudicar as sensações e a consciência. Sensação como se o cérebro estivesse cheio de fluido. As descargas são fétidas. Paralisia; facial, bucal, ameaçado de respiração; pseudohipertrófico. Diabetes melitus. Catalepsia. Lepra. A partir de um peso pesado pendurado nas partes_braços, pernas etc.

Piora:
Movimento. Umidade. Tempo frio. 2h Lado direito.

Curare

(Curare)

Autor: Sr Nilo Cairo

Obra:  Guia de Medicina Homeopática

Sinonímia:
Paullinia curaru, Strichnos toxifera e Urari. CLARKE diz, interrogativamente, pertence às Loganiaceae ou Strychnaceae. Paralisia muscular sem alterar a sensibilidade e a consciência. Paralisia dos músculos respiratórios. Atos reflexos diminuídos. Catalepsia motora. Enfisema. Cirrose hepática com vômitos biliosos. Dores lancinantes ao redor da cabeça. Ozena. Tuberculose nasal. Paralisia facial e bucal. Paralisia respiratória. Fraqueza das mãos e dos dedos em pianistas. Lepra.

Dose:
6.ª, 30.ª e 200.ª.

logo-naturoergos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar Artigos
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Buscar por Autor

Veja mais Artigos